- 
English
 - 
en
Portuguese
 - 
pt
Spanish
 - 
es

BLOG EVOINC

Confira as
nossas notícias

FMEA: saiba o que é e quais são as suas vantagens

Compartilhar

CONTEÚDOS RELACIONADOS

Se você deseja fazer a gestão da sua empresa de forma eficaz, precisa prevenir falhas e utilizar metodologias que ajudem a identificar riscos, como é o caso da FMEA. 

Já ouviu falar nesse termo? Acompanhe o texto e entenda o que é essa técnica e quais são as suas vantagens.

O que é FMEA?

A sigla refere-se a Failure Mode and Effect Analysis, que significa Análise dos Modos de Falha e seus Efeitos. O conceito tem o objetivo de garantir maior confiabilidade nos processos de uma empresa, prevenindo potenciais falhas. 

Essa análise é capaz de identificar, por meio de uma estratégia sistemática, o que não está em conformidade, ou seja, detecta os modos de falhas gerados por processos inadequados, analisando causas e efeitos. Dessa forma, é possível reduzir, eliminar e prevenir os riscos de falhas dentro de uma companhia.

Quais são os tipos de FMEA?

Existem três tipos dessa metodologia, são eles:

– FMEA de Design: analisa os maus funcionamentos do produto, bem como questões regulatórias e de segurança. Falhas nessa área estão relacionadas a problemas de características do material, tolerâncias, geometria, ruídos de engenharia, entre outros.

– FMEA de Processo: identifica falhas associadas à qualidade do produto, além de riscos ambientais e de segurança.

– FMEA de Sistema: busca por falhas em um sistema complexo, como em indústrias os defeitos podem ter consequências graves.

Quais são as vantagens da FMEA?

A Análise de Modo e Efeitos de Falha oferece diversos benefícios para as organizações que a aplicam de forma adequada, tais como:

– Identificação proativa de falhas: o método permite que as equipes identifiquem antecipadamente as possíveis falhas e as suas causas potenciais em produtos, processos ou sistemas, antes que se tornem problemas reais. Isso ajuda a evitar custos elevados de correção de erros, otimizando tempo e recursos.

– Priorização de riscos: a partir da FMEA, é possível classificar as falhas de acordo com a severidade e probabilidade de ocorrência. Assim, há a possibilidade de priorizar as ações e focar nos problemas mais críticos e que possuem maior potencial de impacto negativo.

– Melhoria contínua da qualidade: como a FMEA identifica as principais causas de falha e os efeitos relacionados, a empresa pode implementar medidas corretivas e preventivas. Assim, os processos se tornam cada vez melhores.

– Integração de conhecimento da equipe: a FMEA envolve diferentes especialistas, o que incentiva a comunicação e o compartilhamento de conhecimentos, resultando em uma análise mais precisa e eficaz.

– Redução de retrabalho e custos: ao evitar e prevenir falhas, a companhia consegue reduzir a necessidade de retrabalho, economizando custos ao longo do processo.

– Conformidade regulatória: para muitas indústrias, a FMEA é uma exigência regulatória ou normativa. Ao aplicar esse método, a organização comprova que está em conformidade com os padrões requisitados.

– Suporte à tomada de decisões: com mais informações em mãos, a tomada de decisões se torna mais fácil e precisa, obtendo melhores resultados.

Como implementar a FMEA?

A implementação da FMEA pode ser dividida nas seguintes etapas:

  1. Formar a equipe: montar um time multidisciplinar com conhecimento sobre o produto ou processo a ser analisado.
  2. Definir o escopo: determinar o que será analisado – produto, processo ou sistema.
  3. Identificar as falhas potenciais: listar todos os possíveis modos de falha que podem ocorrer.
  4. Detectar causas e efeitos: descobrir as causas de cada modo de falha e descrever as consequências resultantes.
  5. Avaliar a gravidade: atribuir notas de severidade e ocorrência e detecção para priorizar o que é mais urgente, calculando o Risk Priority Number (RPN).
  6. Definir ações: focar nas falhas de alto risco e desenvolver planos para corrigi-las ou preveni-las.
  7. Implementar as medidas: executar as ações definidas e monitorar os resultados.
  8. Reavaliar o FMEA: fazer revisões periódicas para garantir que a análise esteja atualizada.

Vale ressaltar que a FMEA é um processo contínuo, que permite às organizações melhorar constantemente a qualidade e a segurança de seus produtos e processos. Ao implementar esse método, as empresas podem melhorar a sua eficiência e a capacidade competitividade.

Acompanhe mais matérias em nosso blog

Continue por aqui e confira mais artigos sobre esse e outros assuntos.

Conheça a nova obrigação acessória da Receita Federal, a DIRBI, suas regras, prazos e penalidades. Saiba quais empresas devem apresentar.
Entenda a importância do due diligence em processos de M&A e como ele identifica riscos e oportunidades, garantindo o sucesso de fusões e aquisições.
Neste artigo, exploramos a importância de ensinar conceitos financeiros aos herdeiros, desde fundamentos básicos até planejamento sucessório. Descubra como consultoria especializada pode ajudar na formação de gestores financeiros capacitados, garantindo um futuro próspero e

ASSINE NOSSA

Newsletter